19 de agosto de 2019
                 
     
                         
Lázaro Freire, Acid0 e Lobão na MTV: Daime é droga ou religião?
Psicanálise Transdisciplinar em SP com Lázaro Freire
Seja um colaborador ativo da Voadores!
Cursos e palestras da Voadores em sua cidade
Mensagem de Wagner Borges
Mais novidades

 
  

Colunas

>> Colunistas > Benedicto Cohen (Bene)

Historinha - Uma obra de grande porte
Publicado em: 14 de novembro de 2008, 10:16:10  -  Lido 2744 vez(es)



Om Namaskar, doces irmãos...

Pois é aqui, entre doutos tratados e outros escritos mais despreocupados, que nos lembramos de recontar uma antiga fábula hindu - para vosso mero entretenimento, apenas - sobre um velho brâmane que após haver investido tempo, recursos e influências para dar educação e lustro a seus quatro filhos -
afamados vagabundos que eram - acaba perdendo a paciência e expulsa-os de casa, para que partam em busca da própria subsistência e cultura.

Os nobres rapazes, ao se verem assim privados da boa vida que levavam, tentam primeiro sobreviver através de meios mais fáceis - roubo, prostituição, jogo - mas logo de início acabam dando-se muito mal, pois até mesmo estas artes escusas requerem um certo aprendizado e prática.

Percebendo com isto que sem esforços e dedicação não iriam muito longe, os quatro moços decidem então investir seu tempo seriamente, na realização de algum feito que lhes pudesse angariar o respeito do pai, além de trazer-lhes fama e fortuna.

E com isto passam a estudar arduamente as ciências da época, até que finalmente acabam desvendando o maior de todos os segredos: o segredo de criar a vida, privilégio apenas dos deuses, até então.

Voltam assim ao pai, falam-lhe da importância da descoberta e do renome que isto trará à família, e acabam convencendo-o a reunir todos os gurus, sábios e religiosos da região para assistirem ao milagre da criação da vida. O velho pai, ansioso por recuperar o prestígio da família junto aos demais pânditas e mestres, encarrega-se pessoalmente de convidar a todos.

No dia marcado a ilustre corte se reúne em um grande auditório, onde os quatro jovens brâmanes, depois de fazer uma meticulosa vistoria final nos misteriosos aparatos ali dispostos, logo dão início à demonstração:

Primeiro, estendem a pele de um tigre morto, e em seguida começam a executar uma série de procedimentos, muito bem estudados e precisos: montam o esqueleto sobre a pele, encaixando os ossos nas respectivas articulações, recheiam aquilo de carne, instalam um cérebro e demais órgãos, e por fim partem para as etapas mais secretas, misturando estranhos líquidos e poções ao conjunto, de mistura com evocações e fórmulas mágicas.

Depois de fechar e costurar tudo aquilo como um pacote, um deles, numa apoteose final, aproxima-se da cabeça do animal assim recomposto e aplica-lhe na testa o selo místico que lhe devolverá a vida.

E eis que o prodígio anunciado realmente acontece - o animal subitamente pisca os olhos, e ergue-se nas quatro patas, para assombro de todos os sábios ali reunidos.

O mais erudito dos mestres presentes levanta-se para aplaudir... Os demais começam a imitar-lhe o gesto...

Mas ocorre, porém, que o animal ali à frente, como dito, era um tigre - que por sinal havia ressuscitado com imensa fome após o prolongado jejum...

E ato contínuo, sem hesitar nem um segundo, o portentoso animal - valendo-se das poderosas patas, garras e presas - põe-se a trucidar todos os presentes - incluindo os quatro jovens que ironicamente o haviam feito reviver - só deixando com vida um triste pária, aliás mais morto do que vivo.

Providencial esquecimento do felino, aliás - ou quem sabe desejo de deixar um biógrafo que lhe contasse os feitos - visto ser graças a este pobre homem que hoje podemos contar nossa humilde historinha a todos vós, gentis sahibs e graciosas memsahibs - inclusive apondo-lhe esta singela recomendação final:

Muito frágeis e vulneráveis demais nos fizeram os deuses, e assim somos nós. Por isso, meus amados, lembrem-se sempre de que todo o cuidado do mundo ainda é pouco, quando se trata de dar vida e controlar coisas maiores do que nós mesmos.

Bene Cohen
Escrito em Agosto de 2008 - Lista Voadores
--
Benedicto Cohen (Bene)
beneluxbr@yahoo.com.br


Deixe seu comentário

Seu nome:
Seu e-mail:
Mensagem:

 
Atenção: Sua mensagem será enviada à lista Voadores, onde após passar pela análise dos moderadores poderá ser entregue a todos os assinantes da lista além de permanecer disponível para consulta on-line.































Voltar Topo Enviar por e-mail Imprimir