14 de dezembro de 2019
                 
     
                         
Lázaro Freire, Acid0 e Lobão na MTV: Daime é droga ou religião?
Psicanálise Transdisciplinar em SP com Lázaro Freire
Seja um colaborador ativo da Voadores!
Cursos e palestras da Voadores em sua cidade
Mensagem de Wagner Borges
Mais novidades

 
  

Colunas

>> Colunistas > Benedicto Cohen (Bene)

CONTO: A Luz
Publicado em: 04 de setembro de 2006, 16:04:56  -  Lido 2873 vez(es)



Seu corpo tremia e chacoalhava cada vez mais, como um velho trem em movimento
que estivesse perdendo todos seus parafusos, um a um. Mesmo sabendo o que era
aquilo, mesmo cansado de saber o que estava para acontecer, ele sentia uma
pontinha de medo. Sim, sabia que não havia o que temer, mas nunca conseguia se
dominar direito naquela hora. Só depois. Ah, depois... Depois que saia do corpo
físico era tudo uma beleza... Uma enorme euforia tomava conta dele, seu corpo
astral ganhava impulso e num instante partia, numa velocidade impossível, para
lugares e aventuras inenarráveis...

Ah, quantos lugares conhecera... Gente bonita, amável, daquelas que pareciam
realmente se importar com as coisas... Até ajuda a espíritos mais elevados ele
prestara, uma vez ou outra, em assuntos que já esquecera, mas que deviam ser de
grande importância para o equilíbrio universal, disto ele tinha quase certeza...



Mas agora seus corpos lutavam - o de luz tentando se desvencilhar, o de carne,
ancorado na cama, fazendo de tudo para impedir o outro de sair. Ele, quer dizer,
seu eu pensante, sua consciência, seu sei lá o que, já não sabia dizer onde
estava... Em que lugar? Em que corpo? Não, não sabia dizer. Num ponto flutuante,
talvez, entre o espírito e a matéria, ou bem além disso tudo... Sim, haviam as
vibrações, mas não as sentia mais, apenas percebia as fortes reverberações que
vinham delas. Aliás, sentir, não sentia mais nada... Era bom não sentir mais
nada... Cama, dores, mundo... Isso... Deixar-se ir... Deixar que os últimos
trancos do processo expulsassem sua alma para longe do corpo físico... Aí se
veria em seu corpo de luz, seu lindo corpo de luz, e partiria voando, voando
como um pássaro de prata, e era só isso que queria, agora...

* * *

Com a lanterna acesa, o policial vasculhava o abrigo de indigentes, alumiando a
cara de cada homem e mulher ali deitados, à procura de um tal de Faísca.

Incomodados, os mendigos reclamavam, gemiam, mas o homem não interrompia a
busca, às vezes saltando por cima de corpos já revistados ou chapinhando
pequenos riachos de urina, para alcançar um outro leito ou esteira.

Houve um ruído seco, uma mulher gritou, por causa de algum pisão ou de um
pesadelo.

O policial praguejou, afastando o foco da lanterna da boca desdentada e
babujenta de outro homem, mais um que não era o Faísca. A fraca lâmpada do
galpão, que já não iluminava quase nada - um halo irrisório, apenas, só
delineando vultos amontoados aqui e ali - estalou debilmente e apagou. O homem,
passeando o feixe da lanterna, meio ao acaso, escolheu uma direção qualquer e
dirigiu-se para lá.

* * *

Era de pura prata o riacho que cortava aquela grama verde, da mais verde que ele
já havia visto. Crianças de faces afogueadas corriam e brincavam por ali, rindo
e gritando alegremente.
Mais além, pessoas vestindo leves túnicas de cores claras passeavam e
conversavam, algumas de mãos dadas.

Foi se aproximando, devagar, dominado por um forte sentimento de pertencer, de
fazer parte daquilo, e era como uma nostalgia às avessas, uma coisa difícil de
explicar, como aquilo que a gente sente quando volta pra casa, depois de passar
muito tempo fora. É, finalmente estava voltando para casa...

As pessoas sorriam para ele, algumas até erguiam os braços, surpresas e alegres
com seu retorno. Ele sorria e acenava, desajeitado, e fazia força para não
chorar.

Um homem idoso, que ele sabia conhecer, veio se aproximando, sorridente, e era
um líder, pois em seu peito, sob a longa barba branca, refulgia uma bela pedra
preciosa - um diamante mágico, quem sabe, que parecia brilhar cada vez mais,
emitindo uma luz muito clara, muito forte, uma luz forte demais...

* * *

Abriu os olhos e não viu nada, por causa da luz. Quer dizer, ver ele viu, mas só
aquela luz toda e mais nada. E ouviu a praga de alguém que o segurava por um
ombro, com brutalidade, e depois o largava, sozinho e de olhos abertos no
escuro, porque ele não era o Faísca.



Bene


--
Benedicto Cohen (Bene)
beneluxbr@yahoo.com.br


Deixe seu comentário

Seu nome:
Seu e-mail:
Mensagem:

 
Atenção: Sua mensagem será enviada à lista Voadores, onde após passar pela análise dos moderadores poderá ser entregue a todos os assinantes da lista além de permanecer disponível para consulta on-line.































Voltar Topo Enviar por e-mail Imprimir