19 de agosto de 2019
                 
     
                         
Lázaro Freire, Acid0 e Lobão na MTV: Daime é droga ou religião?
Psicanálise Transdisciplinar em SP com Lázaro Freire
Seja um colaborador ativo da Voadores!
Cursos e palestras da Voadores em sua cidade
Mensagem de Wagner Borges
Mais novidades

 
  

Colunas

>> Colunistas > Benedicto Cohen (Bene)

Medos Astrais - Infundados ou não?
Publicado em: 04 de setembro de 2006, 17:30:56  -  Lido 3180 vez(es)



Sobre medos e inseguranças que pintam no árduo caminho em direção às projeciológicas e astralmente desdobrativas experiências fora do corpo.

Os medos básicos, que normalmente só pintam quando NÃO estamos projetados, parecem ser sempre os mesmos:

- Medo de que alguém ocupe seu corpo, enquanto vc está no astral.

(Bobagem, por que seu corpo não fica 'vazio' enquanto vc se projeta. Ele
sempre será seu, e quando vc usa um OUTRO de seus corpos para sair, ele
simplesmente fica lá, como se estivesse adormecido. Aliás, mesmo que a gente
não lembre depois, é isso que acontece conosco toda noite. Durante nosso
sono normal, o corpo físico fica lá, adormecido, e nós saímos em corpo
astral - muitas vezes só para continuar 'dormindo' neste corpo, que fica
flutuando acima ou ao lado do corpo físico ).

- Medo que o cordão de prata se rompa ou que as 'entidades do mal' venham
cortá-lo com suas tesouras astrais.

(Bobagem, também. Nossos corpos astral e físico estão sempre unidos por um
filete energético, convencionalmente chamado de "Cordão de Prata". Este
cordão, que liga o corpo físico ao astral - normalmente da testa do primeiro
à nuca do segundo - NÃO é como uma corda ou elástico, mas sim um feixe
energético que é continuamente emitido de um corpo até outro. Dependendo da
distância entre os dois corpos, ele pode ficar fininho como uma linha, ou
grosso como uma mangueira. Mas não tem como cortar. Seria como querer
cortar um facho de luz, ou um feixe laser.

Inclusive outro medo infundado, o medo de nos perdermos no astral e não
acharmos o caminho de volta para o corpo físico, torna-se sem sentido, se
pensarmos na função do cordão de prata. Pois este, ao menor sinal de pânico
de nossa parte, infalivelmente vai puxar o corpo astral imediatamente de
volta para o corpo físico.

Quando desencarnamos, no fim de nossa vida física, o Cordão de Prata é
rompido e nossa consciência passa de vez para o corpo astral, sem volta ao
corpo físico. Mas aí é outra coisa, e não nem nada a ver com projeções
astrais...)

-Medo de encontrar assediadores e entidades mal encaradas, mal-cheirosas e
semi-decompostas, dispostas a correr atrás da gente no astral.

(Bom, esse é o pior dos medos. Contra o medo de fantasmas não há argumentos.
Principalmente porque somos nós mesmos que damos vida a boa parte dessas
criaturas que povoam nossos calabouços mentais diurnos e noturnos...

Mas o que podemos adiantar é que projeções astrais são extremamente
dependentes do grau de sutilidade de cada momento, e da sintonia que
buscamos.
Como eu digo às vezes, se vc quer briga numa projeção, vc vai achar. Se
quiser sexo, vai achar também. Se quiser diversão, idem. E se quiser ir para
locais mais nobres, mas espiritualizados, também irá - pois são seus desejos
e sua disposição interna que determinarão os níveis e os planos para onde
seu corpo astral irá.
Assim, se vc for dormir pensando no filme "Gangs de Nova York", dificilmente
vc irá parar nos palácios de cristal de Babaji.... Semelhantes atraem
semelhantes. Simples questão de lógica, certo? Por outro lado, ainda não
inventaram coisa melhor para 'fechar o corpo astral' contra assédios do que
orações sinceras a nossas divindades, pedindo a devida proteção. A chamada
'armadura da fé'...)

Boa parte destes medos afetam apenas quem nunca se projetou. Pois quem já
passou pela experiência, pelo menos uma vezinha que seja, sabe, inclusive,
que nós mesmos estaremos nos sentindo muito mais fortes, mais poderosos,
numa projeção - talvez por estarmos livres das amarras do físico e
conscientes de nossa própria eternidade (poxa, quer prova maior do que estar
voando por aí, enquanto o corpo físico dorme, lá na cama???) - e que
dificilmente vamos pensar em sentir medos ou fraquezas, naquela hora.

Bene

--
Benedicto Cohen (Bene)
beneluxbr@yahoo.com.br


Deixe seu comentário

Seu nome:
Seu e-mail:
Mensagem:

 
Atenção: Sua mensagem será enviada à lista Voadores, onde após passar pela análise dos moderadores poderá ser entregue a todos os assinantes da lista além de permanecer disponível para consulta on-line.































Voltar Topo Enviar por e-mail Imprimir